12 março 2008

JESUS CRISTO É HYPE!

EU SOU HYPE?

Não, pelo menos não era isso que minha mãe desejava para mim quando me criou com tanto carinho a base de farinha lactea e arroz com feijão. Também não era o que eu sonhava quando assistia o show da xuxa com o nariz escorrendo..

Enfim, nos últimos meses tenho escutado por demais esta palavrinha, afinal de contas, o que é essa porra de hype?

O movimento do hypismo começou com a incrível idéia da promoção, aquela coisa toda do marketing viral, do telefone sem fio, de toda a badalação que se tem em volta de algo que acabou de surgir ou que está sendo comentando por todos.

Um artista hype, geralmente é eleito por seu público, o artista não escolhe ser hype, ele apenas se torna um. A midia é feita pelos blogueiros, orkuteiros e dj´s de plantão, que estão ansiosos por artistas de calças apertadas que tenham cabelos desalinhados e de preferência morem na europa oriental. O momento mais importante da vida de um hype é chegar numa roda de discussão, onde possívelmente eles estejam conversando sobre o mais novo sweet-heart-indie-movie do momento, tipo o grávido, JUnO. E então ele comenta sobre alguma banda myspaceana que tenha baixado a discografia completa esta tarde e que toca instrumentos feitos com materiais reclicláveis, de preferência começa com The alguma coisa.

O que se discute aqui não é o hype em si, a questão é que nem sempre estar a frente é ser moderno...Existe todo um retrocesso nesse processo!

Parece até uma epidemia, basta uma garota inglesa cantar sobre seu alcolismo que pronto, em questão de semanas, as novas artistas-junkies surgem aos montes diretamente dos centros de reabilitações do mundo todo.

Basta uma banda ser eleita hype e começar a vincular seu nome ao que se vê de mais cult nos últimos trinta minutos, que os milhões de famintos por status de in correm para googlolar estas informações.

Eu não sou hype, por que para mim a melhor banda do mundo ainda está na década de oitenta, seu melhor disco é um Long Play e eu era muito mais feliz quando não dependia da internet para conhecer bandas, porque antes quando se conhecia uma banda era por intermedio de revistas especializadas ou por programas raros da tv. Porém, hoje com a facilidade de acesso à informação, a infinidade de bandas que temos possibilidade de conhecer é extenso, o que cria uma dependência quase química dessas descobertas, quando mais você escuta, mais você procura, parece até que a banda dos seus sonhos pode estar a um clique de seus ouvidos, não é demais?!

Ser um artista hype é quase ser uma vítima da autopromoção, num momento seu sonho é estampar a NME (ok, para os mais ambiciosos) no outro estar sendo monitorado por um blogueiro mal amado que decorou as batidas de prato das suas músicas, estranho? Você não imagina o que é ser hype!

São estes mortos vivos, que correm atrás de artistas instantâneos, prontos para devorar todos os seus MIOLOS artísticos!

Pena o hype ter prazo de validade, por isso que eu digo que Jesus Cristo foi o primeiro hype, numa semana ele era o cara que foi aclamado com ramos, no famoso concerto de "domingo de ramos", na outra semana, exatamente na sexta, já estava ele sendo crucificado pela mesma galera que o saldou...Isso é o mais "in" de ser HYPE!

Bem, se nem Jesus Cristo em suas jams sessions celestiais agradou esse pessoal, não somos nós meros mortais amantes de música velha que vamos!

2 comentários:

eusouofi disse...

haha
bom o texto

faz tempo que queria desabafar dessa forma e não conseguia , e vc conseguiu!!!
bj

Anônimo disse...

Pena o hype ter prazo de validade, por isso que eu digo que Jesus Cristo foi o primeiro hype, numa semana ele era o cara que foi aclamado com ramos, no famoso concerto de "domingo de ramos", na outra semana, exatamente na sexta, já estava ele sendo crucificado pela mesma galera que o saldou...Isso é o mais "in" de ser HYPE!



hsushaushausaushausha

bem isso mesmo!

o marcelo (snfuça) tinha me passado seu blog faz um tempo... sempre entro aqui, mas nunca comento!
mas depois dessa do jisuis...

shuashuahsaushaus

Baú da Magô