26 outubro 2011

Eu poderia estar roubando!


É com lágrimas nos olhos que senti obrigada a escrever sobre a minha profissão!

Todos sabem que uso muito a frase do "eu poderia estar roubando", contudo hoje, mais do que nunca me senti na obrigação de expor meu ponto de vista com relação a isso.

Eu desenho desde os 6 anos de idade, sempre foi algo que amei muito fazer e para falar a verdade, talvez seja a única coisa que eu saiba fazer. Por isso, quando desenho faço com empenho e dedicação, pois ali está minha essência.

A arte não costuma ser apreciada por todos, muitos pensam que nós desenhistas, cartunistas, ilustradores e artistas no geral, somos adeptos da famosa "vida fácil". Mas não tem um entre nós que ainda estamos lutando por nosso lugar ao sol, que tenha uma vida fácil. Trabalhamos e muito, as vezes muito mais que muitos assalariados pertencentes a CLT.

Quando eu digo que eu poderia estar roubando, quero expressar um desabafo, pois escolhi trabalhar com arte, eu quis isso para mim e decidi viver assim, esta é a minha profissão e eu poderia estar fazendo muitas coisas, inclusive roubando, porém estou aqui honestamente criando e tentando agregar algo ao mundo, nem que seja apenas o meu mundo!

Difícil manter a dignidade em um país onde as pessoas estão tão habituadas a confundir arte com pipoca. Ser artista ou qualquer coisa parecida é tarefa das mais árduas, e eu não quero aqui bancar a vítima ou muito menos a pobre artista coitada, não! Não é isso que eu quero...

Hoje mais um vez tive que fazer valer a minha voz e brigar (sim, brigar) para ter respeito com a minha profissão. Mostrar para as pessoas que quem desenha com um lápis é tão capaz e merecedor de respeito quanto qualquer outra profissão, incluindo-se aí as vitais, como médicos e profissionais da saúde.

Somos deuses, criamos mundos com grafite e cores. Desenhamos castelos para que vocês morem nele. Criamos personagens para projetar a frustração e a alegria coletiva, para que vocês se enxerguem nisso e sintam-se abraçados e quiça compreendidos. Criamos e destruímos sempre com verdade e com cores moldamos universos capazes de tirar o sorriso de um adulto e o olhar atento de uma criança.

Nós e nossos lápis, somos responsáveis pelo pouco de lúdico que ainda há no mundo adulto. A gente enfrenta monstros gigantes como a falta de grana e a instabilidade profissional, para persistir fazendo aquilo que mais amamos, desenhar!

Trabalhamos em duplas jornadas, desenhamos para os de direita e os de esquerda porque para nós o mundo é um só, o mundo do avesso. Desenhamos em folhas em branco, livros de química, apostilas de educação no trânsito. Desenhamos quando estamos triste e quando estamos alegres, desenhamos quando estamos sendo pagos e principalmente quando não estamos. Enfim, desenhamos pois isto é inerente ao nosso ser.

Percebo que muitos ainda insistem em diminuir com a ignorância, a falta de respeito e a covardia, sim, a covardia, é preciso muita coragem para chamar o fato de você preencher espaços vazios com arte de profissão.

Como toda a profissão temos que ser remuneramos, não vivemos de luz e por isso temos que COBRAR nosso trabalho do mesmo jeito que você cobra o seu. E não me venha com essa que desenhar é fácil, se fosse você não teria abandonado aos 7 anos quando pela primeira vez sua mãe acidentalmente amassou aquele papel com seu desenho que ela julgou ser um risco e era o homem-aranha, você logicamente desistiu, desenhar é para crianças, não é mesmo?

Errado!

Nós continuamos a desenhar e trabalhamos com isso, muitas vezes sem apoio de ninguém e não quero ficar enaltecendo aqui a profissão com discursinho piegas, nem quero medalhas, nem estátuas e nem um feriado com meu nome (até que isso não seria nada mau), quero apenas seu respeito e a compreensão. Entenda que se eu desenho, eu não necessariamente vou fazer um desenho seu ou de qualquer um que me pedir!

Fica a dica:  faça pedidos para os Santos e Obras Socias, eles costumam atender, nós não!


Magô
(tentando explicar a diferença de um elefante e de um chapéu)


:)

Um comentário:

Ferfetz disse...

Queria que TODAS as pessoas do mundo fossem ler isso!

Baú da Magô