17 agosto 2012

A arte de viver de arte num país que só faz arte!

As pessoas sempre me perguntam como é viver de desenho... Como é viver de arte no Brasil? Eu ODEIO essa pergunta, mas sempre tento responder na moral, até porquê a maior parte das perguntas é feita por estudantes ou pessoas que adoram desenhar e não sabem se vale a pena desistir da brilhante carreira de engenheiro para seguir o sonho de ser um ilustrador ou cartunista.

Cara, eu sempre fico pisando em ovos quando fazem perguntas desse tipo, primeiro porque eu não sou conhecida por aí pelos meus conselhos construtivos vocacionais, segundo porque cada um sabe onde seu calo aperta, se você quer ganhar grana, na boa, corre pra fazer exatas, não é desenhando que você vai ficar rico imediatamente, leva tempo, muito trabalho, paciência e esforço para ser reconhecido, ousaria dizer que rola até aquele lance de sorte...

Principalmente depois de ver uma campanha totalmente excelente do Governo do Estado de São Paulo (o estado mais rico do país) buscando novos talentos para pintar o metrô novo em um concurso que o premio será ter seu nome divulgado, isso mesmo sem pagamento...Só reconhecimento social....

EEEEEEE, clap clap clap Palmas para a ideia super inovadora de alguém que acha que artista vive de ego!!! 

Artista adora ter o nome divulgado sim, mas precisamos de dinheiro para sobreviver como todos as outras profissões que existem, e não é todo lugar que queremos que nosso nome apareça principalmente na lista do SERASA e do SPC, viu, Governo do Estado de São Paulo?!

Então, por gentileza, respeite mais o artistas gráficos e mesmo você que está começando agora e achava que aquela seria uma puta oportunidade para lançar seu nome no mercado, pensa bem, pode até ser que você consiga uma certa mídia com um trampo desses, mas se você gosta de fazer trabalho voluntário visando projeção, vai ajudar a Cruz Vermelha, o Greenpeace, faz um desenho para o Criança Esperança, mas não seja tolo de querer contribuir com arte para o estado que invés de ser o primeiro a incentivar artistas profissionais e amadores a concorrer por um projeto grande desses, de maneira remunerada, faz de nós todos tolos em busca de fama e projeção!

Ego não paga as contas, ego não enche estômago, ego não paga minha faculdade, portanto eu não apoio e acho terrível iniciativas como essa que evidenciam cada vez mais o desprezo que as artes (visuais) recebem por parte do estado e mesmo da sociedade. E o governo é reflexo do povo, já ouvi muita proposta de gente querendo meus trabalhos profissionais em troca de exposição em sua empresa... Se eu quisesse fazer uma exposição, eu ia numa galeria, não ia querer fazer trabalho para receber em prestígio (antes fosse o chocolate).

Queria ver se fosse concurso com engenheiros, arquitetos, médicos ou qualquer outra profissão. O melhor administrador do metrô vai ganhar o nome no rodapé do e-mail. O melhor piloto de avião vai ganhar o nome escrito na asa direita, o melhor obstetra vai batizar a criança. Se não funciona com os outros, também não funciona comigo, eu sou artista, estudei e trabalho duro para isso, mereço tanto respeito quanto qualquer outro profissional de qualquer outra área, sendo assim Governo do Estado de São Paulo, cria vergonha nessa cara e faz as coisas direito!



PIADA!









Um comentário:

Ruama disse...

" se você quer ganhar grana, na boa, corre pra fazer exatas, não é desenhando que você vai ficar rico imediatamente, leva tempo, muito trabalho, paciência e esforço para ser reconhecido, ousaria dizer que rola até aquele lance de sorte..."

Com engenharia com certeza é menos difícil ganhar dinheiro, mas não é imediato e certo como sugere essa passagem, também depende de criatividade, dedicação e... tchan, tchan, tchan... TALENTO! Sem contar que exatas não se resume à engenharia, tá cheio de matemático, físico, geólogo vivendo na pindaíba. Então vamos reivindicar nossos direitos sem desvalorizar os demais profissionais, porque todos prestamos serviços sociais. ;)

Baú da Magô