13 outubro 2012

It's just a ride

Acordei bem cedo neste sábado, estava meio aborrecida com milhões de coisas, estou com uma ressaca que não passa, que não há água que alivie e nem remédio que cure. Estou nostálgica, passiva de saudade, de confusão, de pensamentos que vão e vem numa espécie de regurgitação mental. 

Ontem foi dia das crianças e eu percebi como estou velha, como sinto cada vez mais distante da criança que vive em mim. Ultimamente vendo deixando algumas situações se tornarem maiores do que eu como um todo, meus problemas parecem se personificar e me fazer companhia a cada hora vaga que bate no relógio e cruza minha porta, avisando-me da sua presença e cada vez mais, esses problemas personificados tomam cores e formas, e dentes...Sim, eles rangem e forçam sorrisos!

Eu não ando sorrindo ultimamente e ultimamente pode ser considerado um tempo longo, como anos, como meses, como dias e horas e minutos...Nem ontem no dia das crianças eu consegui lembrar da minha infância,  eu lembrei apenas de pessoas que foram importantes e não estão mais por aqui...Algumas já passaram desta fase do jogo e estão em outra fase, mais evoluída, outras pessoas estão em outros jogos, em outras plataformas e essas não fazem mais parte do meu presente, são agora doces lembranças que guardo nos confins da minha memória, é preciso dizer adeus na hora certa para alguns pensamentos e consequentemente para algumas pessoas para não personificar mais um problema. E mesmo que você as ame, e saiba o quão importante essas pessoas são na sua vida, é preciso entender o momento exato em que um sentimento vira uma obsessão e obsessões são rasgos nos olhos que impedem de ver as coisas com clareza, obsessões viram manchas translucidas que maculam a percepção. O amor é liberdade, é uma condição, maior que sentimentos e posses, as pessoas confundem amor e obsessão. Do amor vem a compreensão e da obsessão vem a necessidade, a dependência.

Fazendo uma análise sobre a minha infância, lembro-me dos ícones que fizeram parte deste momento único na vida de uma pessoa... Lembro-me de um palhaço freak que nos intervalos de gravação mandava grandes linhas brancas narinas adentro, ou uma loira alta que vestia trajes sadomasoquistas (muito couro colorido e botas brancas) e descia de uma nave espacial acompanhada de um mosquito aedes aegypti carinhosamente chamado de Dengue e um anão vestido de tartaruga conhecido como Praga, além de outros seres que apresentavam programas infantis naquela época. Eu me achava uma criança muito feliz, tinha muito amor dentro de casa, era incentivada a ser quem eu sou hoje...

Eu tatuei o Pequeno Príncipe na minha pele justamente para nunca me esquecer de olhar para as coisas como se fosse uma criança, parar de ver o mundo com o olhar de gente grande, porque gente grande complica tudo, distorce tudo, faz do amor uma obsessão e da vida um compromisso, tá tudo errado, tá tudo torto!

Melhor seria nem que fosse por um dia ter apenas sete anos, acreditar nas pessoas, achar que o mundo é um lugar bom e legal e que a única preocupação fosse aprender e assistir desenhos animados!

Eu desejo hoje um feliz dia das crianças para todos, não só hoje como todos os dias irregulares ou não, que sejamos sempre livres, inocentes e que tenhamos tesão pela vida, afinal isso aqui é apenas uma corrida de carrossel, logo não faz sentido levar as coisas tão a sério, deixar de falar com as pessoas que amamos, deixar de fazer as coisas que gostamos, porque no fundo, no fundo a única coisa que se tem é o presente, e o próprio nome diz, é um presente...Portanto que o seu presente de hoje seja um dia maravilhoso!

Gostaria de dividir esse vídeo, pois no dia de hoje ele faz mais sentido que nunca!

"It's just a ride..."




Nenhum comentário:

Baú da Magô