24 outubro 2012

O silêncio que é cúmplice da tragédia

Virou assunto de elevador, de fila do banco, de Ana Maria Braga. Agora todos se preocupam com os índios, todos são ativistas pelos direitos humanos e sempre que houver uma corrente do bem, uma revoltinha social, um #chatiado, lá estão os sociólogos do Facebook para defendê-la.

Só que desta vez, o buraco é mais embaixo, a questão é beeem mais antiga. Afinal são mais de 500 anos dizimando as etnias indígenas e nós povo civilizado, que anda de carro e assalta bancos, que defende a natureza com papel reciclado e que acima de tudo, é patriota, claro que nós, lembramos deste genocídio que se perpetua pelos séculos até os dias atuais com nossa risíveis comemorações datadas em 19 de Abril.

Piada!

Típico nosso, nosso pois me incluo nessa, é típico desta sociedade este desprendimento da verdade, e quando não sabemos da verdade, deixamos de ser livres para nos tornar escravos, escravos da mentira que escolhemos viver, e parafraseando Spinoza somos livres daquilo que conhecemos e escravos daquilo que ignoramos.

O que acontece é que no estado do Mato Grosso do Sul há uma resistência indígena, de um pouco mais de 170 brasileiros entre homens, mulheres e crianças que são por ordem de chegada os verdadeiros donos da terra. Eles querem permanecer a margem do rio onde moram e onde seus antepassados moraram e estão enterrados. Contudo por ordem da justiça (pasme) federal brasileira, esses cidadãos terão que residir em outro local, o motivo é a velha maldita especulação imobiliária que entre outros fatores capitalistas, regem a democracia e as leis do mundo. Pobre mesmo é de quem não tem dinheiro para comprar dignidade, índio não tem dinheiro e o único motivo dos índios resistirem é que estão ligados a terra pelo seu DNA, faz parte da sua identidade, eles querem apenas viver na mesma terra que seus antepassado viveram, para os índios a relação com a terra que habitam é íntima, coisa que nenhum de nós, moradores dessa selva de pedra, entenderia.

Agora eles (os índios) estão ameaçando uma retirada voluntária deste plano, em palavras mais exatas os índios estão ameaçando um suicídio coletivo e o pior é que isso já está acontecendo, esta ameaça de suicído é apenas para os que restaram na tribo, muitos já pediram pra sair e foram encontrar com Tupã.

Comovente? Eu nem sei qual palavra classificar isso. É insano pensar que isso está acontecendo bem deixo dos nossos narizes ranhentos, enquanto estamos sentados em frente aos computadores que nos roubam a atenção e nos prendem em universos paralelos, compartilhando um monte de merda, interagindo com o nada, enquanto isso os índios estão lá se matando porque eles foram privados do direito básico que temos garantido pela constituição brasileira que é o direito a moradia.

Eles não só tiraram a terra dos Guarani Kaiowá, como também sua dignidade!

Dizem que a revolução não será televisionada, pode até ser que não, mas o genocídio com certeza será  televisionado, assim como irá virar um trending topic, será curtido e compartilhado, terá bilhões de views, isto porque vivemos em plena sociedade do espetáculo e mesmo quando o tema é tão triste e profundo quanto este, não há interesse em mergulhar e debater as razões sociais que motivam o desaparecimento de um raça e acabamos por virar expectadores deste novo coliseu que a internet se predispõe a ser, nos entretendo com a carnificina que nós agradecemos e aguardamos ansiosos por novos espetáculos.

O silêncio é o cúmplice de toda esta tragédia e a cada minuto que preferimos pensar nos nossos interesses pessoais e fingimos não ser parte deste coletivo chamado universo, nós simplesmente negamos a condição humana que nos deu o sentimento da compaixão e da solidariedade para exercer nossa cerne de amor, estamos cada vez mais parecidos com as máquinas que manipulamos e longe, distante dos irmãos que ignoramos!

Aos índios Kaiowá Guarani, meu respeito, meu lamento e minha humanidade!

feito com papel, caneta e amor...




Quantos índios você matou hoje?
Pense nisso...

3 comentários:

Giu disse...

E você? Um belo post com certeza, mas o que você está fazendo sobre isso fora compartilhar a mensagem na frente do computador? O que podemos fazer para impedir isto? Não estou julgando você pois não sei que atitudes está tomando, mas este post foi uma crítica vaga, nenhuma maneira (telefone, link de abaixo assinado ou protesto marcado) para ajudar os leitores como eu a moverem as bundas da cadeira e mudar esta situação. Um post revoltado, vazio e hipócrita. Me desculpe a agressividade mas você parece tão impotente quanto todos nós que assistimos esta cena horripilante. Abraço!

giu disse...

Só agora me atentei ao detalhe que você também se inclui nesta definição! Perdão!

Magô Pool disse...

Pois é amiguinho ou amiguinha...Não somos perfeitos, nem quero ser...ó o fato de vc ter lido e olhado pra mim invés do problema já foi algo...Eu não sou a cura...sou a doença, parafraseando Rê Bordosa!

Hipocrisia ou não taí o recado, obrigada pelo comentário e venha sempre, que tem mais contradição por vir!

bjss

Baú da Magô